A Revolta do Pássaro

.

O passarinho voa,
Voa livre,
Voa a cantar
Voa ao infinito,
Voa além do mar.

O passarinho voa,
Voa até o chão
Voa para a cidade
Voa pelos prédios
Voa em liberdade.

O passarinho voa,
Voa para a floresta
Voa pelas árvores
Voa para o ninho
Voa para as flores.

O passarinho voa,
Voa a uma árvore
E, num mau encarado
Mais desumano que humano,
Destes que usa um chapéu
E carrega uma arma,
Com uma cara de mau,

Uma pelotinha ele deixou.
De um galho ele fez,
Uma merda na cabeça do sujeito.

.

Anúncios

Sobre henrique

Quando nada existia... quando tudo era impossível... Em meio ao imenso vácuo deixado pelo mar de coisas... Quando já absorto de fartas esperanças... ... eis me aqui!
Esse post foi publicado em Poesias e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A Revolta do Pássaro

  1. Syn disse:

    Se trago as mãos distantes do meu peito; É que há distância entre intenção e gesto..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s